O Galo
31
Dez 09

 

 

 

 

 

Agência de Energia do Cávado

 

 

 

 

 

A energia constitui um factor de produção primordial e de consumo permanente, com reflexo determinante no plano social, económico e ambiental.


Todas as actividades humanas dependem da sua disponibilidade oportuna e suficiente.

A questão maior que se coloca ao desenvolvimento do nosso país é a sua acentuada dependência energética, que significa uma preocupante fragilidade em termos de:


1º - segurança do abastecimento;

2º - impacto sobre a balança de transacções correntes;

3º - impactos do seu custo como factor de produção na economia e no funcionamento da sociedade.


 

Mais alarmante e grave é esta dependência estar centrada no petróleo, cujo os derivados representas 60% do consumo de energia em Portugal.


O país deve aproveitar os recursos energéticos endógenos de energias renováveis (hídrica, solar, biomassa, eólica, ect..) que possuem potencial de produção centralizada de grande escala, e potencial de produção descentralizada de pequena escala, para muitos pequenos consumidores potencialmente autónomos.


Devemos dominar as tecnologias para a sua valorização, e optimizar os diversos tipos de consumo, com vista a uma redução significativa da nossa dependência nacional nesta área estratégica, contribuindo para o desenvolvimento do país.


Se os recursos são escassos, devemos optimizar a sua utilização.

Para além do consumo de outras energias, é fundamental a orientação no sentido da poupança e eficiência de utilização.

Nos transportes, há que inverter a utilização excessiva do transporte individual rodoviário, face ao transporte colectivos, e há que privilegiar o transporte ferroviário quer para passageiros, quer para mercadorias, visando uma elevada eficiência energética e menor dependência dos combustíveis fosseis, isto, a par das exigências de ordenamento urbanístico e territorial que se colocam.


E aqui, o concelho de Barcelos pode dar o seu contributo com a criação dos transportes rodoviários colectivos municipais e com a exigência da classificação da linha ferroviária em Barcelos como zona suburbana.


Nos edifícios, incluindo o habitacional, o comércio e os serviços, existe ampla margem para redução dos consumos de energia associados ao conforto térmico, à iluminação e outras funcionalidades, visando a adopção generalizada de conceitos e técnicas com vista a edifícios energeticamente autónomos.


Na indústria, a análise energética e a integração de processos, a cogeração e a trigeração entre outras soluções técnicas, oferecem oportunidades de eficiência energética e redução de consumos.


Todas estas transformações nos vários sectores de utilização final de energia, dependem necessariamente da alteração da política energética.


A constituição da Agência de Energia do Cávado poderá ser um contributo que os municípios constituintes dão para a modificação das práticas de utilização de energia.


Porém, ignorar que os graves problemas energéticos em Portugal e no mundo, que tem despoletado crises económicas, financeiras, ambientais e guerras estão intimamente ligados ao modo de produção predatório capitalista e à subalternização do poder político aos interesses das grandes multinacionais energéticas é ignorar o cerne da questão. E tudo que se fizer que não seja romper este laço são meras operações de cosmética.


Barcelos, 30 de Dezembro de 2009.

pesquisar neste blog
 
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
arquivos